Brasileiras ajudam a transformar a realidade onde vivem

8 de março de 2013

(Dia da Mulher - Agência Brasil)


Esforço e superação são os conceitos que marcam a trajetória de muitos brasileiros, mas para três mulheres essas palavras ganham um significado especial e mostram que é possível vencer as dificuldades. A quilômetros, uma líder comunitária, uma estudante e uma indígena, cada uma com uma história diferente, buscam o mesmo objetivo: fazer a diferença. 

É assim que a líder comunitária e diarista Sueli Santos explica seu trabalho. Mãe de três filhos, Sueli divide a rotina entre a casa, as crianças, a comunidade e o trabalho. A baiana de 37 anos foi abandonada pela mãe e morou nas ruas de Xique-Xique, onde nasceu, até a adolescência. Sueli conta que dormia nas calçadas e pedia comida de porta em porta. "A vida nunca foi fácil. Eu sofri muito abuso, todo tipo de abuso que você puder imaginar. Isso foi o que mais me marcou e me marca até hoje. Eu achava que não ia conseguir ser mãe", diz a diarista ao lembrar daquele período. 


A líder comunitária Sueli Santos faz a diferença em sua
comunidade. Foto: Marcelo Casal Jr. (ABr)
Hoje, Sueli mora no Distrito Federal e é líder comunitária de Buritizinho, vila próxima da região administrativa de Sobradinho II, a 25 quilômetros da capital federal. A diarista está à frente de quase 200 famílias, que foram retiradas de uma área de risco e levadas para a comunidade. Agora, ela busca a regularização da terra, a pavimentação e o saneamento básico da área. Para Sueli, é possível mudar a realidade de onde se vive. "Quando a gente tem força de vontade de mudar, a gente consegue. Eu acredito, sim, que é possível fazer a diferença. E a mulher é fundamental para isso. A mulher tem garra, a mulher tem força, ela tem amor". 

Fazer a diferença também é o objetivo da estudante Camilla Matias. Cursando o terceiro ano de Engenharia no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), ela tem uma rotina diferente da maioria dos jovens de 22 anos. Divide o tempo entre estudo e projetos sociais, entre eles, o Curso Alberto Santos Dumont (Casd), um pré-vestibular gratuito destinado a estudantes de baixa renda, criado na década de 1970. O curso tem 520 alunos, que recebem os livros também de graça, devido a parcerias com outras instituições, entre elas, a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) e a Petrobras, além do apoio da Prefeitura Municipal de São José dos Campos. 

Camilla preside o Casd, que tem índice de aprovação de 35% em universidades públicas. "Durmo e acordo pensando no Casd. Tenho que mostrar os resultados não só para os parceiros, mas, principalmente, para os alunos e a família. Quando entro em sala, eu falo que o sonho não é só deles, é nosso. Por isso, sei da minha responsabilidade e é uma realização muito grande ver um aluno nosso passar no vestibular". 

Camilla é cearense, foi bolsista durante o ensino fundamental e médio e teve que estudar muito para manter a bolsa. No curso de inglês, foi a mesma coisa. Com mais facilidade na área de exatas, a jovem participava de olimpíadas de matemática, química e física e chegou a ir à Coreia do Sul para representar o Brasil com mais quatro estudantes no Torneio Internacional para Jovens Físicos em 2008. 

Mesmo com o bom desempenho nos estudos, hoje Camilla tem outros sonhos fora da engenharia. A jovem quer usar o que aprendeu para ajudar outras pessoas. "Quando eu era mais nova, queria ser muito rica para ajudar as pessoas, hoje sei que não é preciso isso. É possível ajudar com muito pouco. Faço isso porque já recebi muito apoio durante minha vida. É uma forma de retribuir". 

Também foi por meio da educação que a índia kaiowá Elda Aquino conseguiu mudar sua realidade. Ela nasceu na aldeia de Amambai em Mato Grosso do Sul, onde vive. Casada desde os 14 anos, ela decidiu voltar a estudar quando teve o primeiro filho. Desde então, não parou mais. Hoje, Elda é professora e é a única dentre os mais de 7 mil habitantes da aldeia que tem mestrado. Para chegar até aí, a professora enfrentou algumas barreiras, como por exemplo o preconceito. "Sofri muita discriminação. O meu povo falava que uma mulher devia cuidar do marido e dos filhos. Já a sociedade não indígena questionava por que o índio tinha que estudar. Mas esse preconceito me deu força para mudar a realidade". 

Elda optou pela área da educação para ajudar sua comunidade a resolver os problemas que os índios ainda enfrentam. E a professora argumenta que a mulher é peça fundamental para promover mudanças. "Hoje eu vejo que a mulher avançou muito, principalmente na comunidade indígena. Agora meu povo sabe que a mulher é capaz de transformar a realidade". 

Espalhe:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Explore o MAXX

Notícias
Nacional

Internacional
Finanças
Política
Justiça
Segundo Caderno
Esportes


Educação
Inovação

Serviços
Barra de Ferramentas

Buscador
Previsão do Tempo
Tradutor
Viagens

Entretenimento
Cultura

Famosos
MAXX FM
Música
Sobre Rodas
Stations (Busca Rádios)

Estilo de vida
Homem

Mulher

Chat
Amizade

Encontros
Livre
Paquera
Sexo (+ 18 anos)
Webmasters
Outras salas

Fale conosco
Atendimento Virtual
Avalie-nos
E-mail

Fone Fácil
Fórum
Reclame Aqui
Redes Sociais

Copyright 2008 - 2017 © Ouni - Todos os direitos reservados.
"O uso desse website significa que você aceita os Termos de Uso e a Política de Privacidade"

Informações Importantes | Política de Privacidade | Termos de Uso

Vá para o Ouni